Carma

” Apesar de muitas pessoas relacionarem carma a destino, podemos dizer que ambos possuem bases de ensinamentos e crenças bem diferentes.

A palavra “carma”tem origem no sânscrito karma ou karman, e significa “ação”. Isto é, o carma é formado pelos pensamentos, palavras e ações. Ele é, formado a cada instante, é acumulado num repositório chamado alaya, ou oitava consciência. As experiências são depositadas nessa consciência e elas acompanham a pessoa por todas as existências, num ciclo de nascimento e morte. É possível compreender a manifestação do carma como “problema” ou “questão a ser resolvida”. Dessa forma, lembremo-nos das questões matemáticas chamadas”problemas”. Geralmente, elas causavam uma espécie de sofrimento enquanto não sabíamos resolvê-las. Mas, a medida em que aprendiamos as regras e os caminhos,ficávamos mais incentivados.

Primeira constatação: Nós aprendemos a resolver aqueles “problemas”, no entanto

eles não deixam de existir. Da mesma forma, o carma também jamais se extingue.

Segunda constatação: A partir do momento em que aprendemos a resolver os problemas e os compreendemos, eles já não causam sofrimento.

Assim também é o carma: ao reconhecermos que é algo que faz parte da nossa vida, assumimos como uma missão e então agimos de forma a amenizar seus efeitos. A força da prática da budista está justamente no estabelecimento da sabedoria que nos conduz ã vitória sobre diversas circunstâncias, às quais chamamos de “problemas”. Portanto, o modo mais rápido para obter essa transformação é recitar o Nam-myoho-rengue-kyo e atuar em benefício de outras pessoas realizando o bem maior, ou seja, ensinar-lhes o caminho da felicidade. ”

 

RDEZ – Pg 32 – julho/2011

Anúncios